Festival A Letra e a Voz celebra a literatura e a história pernambucana entre os próximos dias 24 e 27
26/08/2017 22:28 em Literatura

 

Revisitando as páginas escritas pelos emancipacionistas do século 19, o Festival Recifense de Literatura A Letra e Voz chega à sua 15ª edição, entre os próximos dias 24 e 27 de agosto, no Recife Antigo. O festival, que celebra este ano um dos mais importantes capítulos da história pernambucana, contará com recital de poesia, apresentação musical e espetáculos de dança e teatro, além de palestras sobre os desdobramentos da Revolução de 1817 na literatura, no cinema e na política brasileira. A realização do festival é da Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Cultura e Fundação de Cultura Cidade do Recife.
 
Em função das obras na Avenida Rio Branco, tradicional cenário das atividades do festival, a programação deste ano migrou para o Cais da Alfândega. Lá, com vista para uma das mais emblemáticas paisagens recifenses, será montada a Feira do Livro e a estrutura para a realização das palestras e mesas, preservando o princípio da celebração do livro e da leitura no passeio público, para fazer reverberar Recife afora toda cultura e toda produção literária.
 
Entre os palestrantes confirmados para o début da feira, estão o escritor e jornalista Paulo Santos de Oliveira, o escritor e dramaturgo Cláudio Aguiar, a cineasta Tizuka Yamasaki, e o historiador Antônio Jorge Siqueira. Também participarão das discussões, como mediadores, a Presidente da Academia Pernambucana de Letras, Margarida Cantarelli, Heloísa de Morais, da Fundação de Cultura Cidade do Recife, e Felix Galvão Batista Filho, diretor do Arquivo Público de Pernambuco.
 
Na quinta-feira (24), a solenidade de abertura do festival começa às 18h, com a execução da Suíte 1817, peça que o instrumentista Múcio Callou compôs, inspirado na Revolução Pernambucana. Na ocasião, haverá ainda o lançamento do 1º Edital da Coletânea de Ensaios sobre o Recife, que selecionará 10 trabalhos sobre passagens históricas importantes da capital pernambucana, para compor a publicação. 
 
A partir das 19h, uma mesa redonda protagonizada pelos escritores Paulo Santos de Oliveira e Cláudio Aguiar tratará da Revolução de 1817 como inspiração literária, com mediação da também escritora e magistrada Margarida Cantarelli.
 
No segundo dia de evento, a revolução e seus efeitos na cultura brasileira serão debatidos sob a perspectiva da produção cinematográfica nacional. Na mesa da sexta-feira (25), a diretora com mais de 11 longas-metragens no currículo, Tizuka Yamasaki falará sobre o tema, com mediação de Heloísa de Morais, a partir das 18h.
 
No sábado (26), a programação começa mais cedo. Às 16h, Heron Villar e Thony Silas estarão autografando exemplares do HQ A Noiva. Às 17h, haverá recital poético, seguido de uma mesa sobre a Revolução de 1817 e seu desdobramento histórico na política brasileira. O historiador Antônio Jorge Siqueira desenvolverá o tema e o diretor do Arquivo Público de Pernambuco, Félix Filho será o mediador.
 
O último dia do festival será dedicado à formação de leitores. A partir das 16h do domingo (27), letra, voz e fantasia se encontram nas histórias da contadora de causos infantis e arte-educadora Adélia Oliveira. Às 17h, a programação ganha corpo com a apresentação do Ballet Simone Monteiro. E encerra, às 18h, com a apresentação do espetáculo teatral O Suplício de Frei Caneca, escrito por Cláudio Aguiar, com direção de José Francisco Filho, na Basílica do Carmo.
 
Festa do Livro – Para semear boas leituras entre os recifenses, o Festival a Letra e a Voz contará ainda, entre os dias 25 e 27, com a tradicional Festa do Livro, programação literária de venda de títulos novos e usados a preços diversos. Para esta 15ª edição, foram habilitados 15 expositores, via edital público, entre livreiros, sebistas e cordelistas, que disponibilizarão parte de seu acervo para venda.
 
Em cada estande, será oferecida uma programação com lançamento de novas edições, sessão de autógrafos dos autores e homenagem aos escritores locais e recitais poéticos, para resignificar os espaços públicos e promover uma nova revolução em cada pernambucano, por meio da literatura.
 
 
Fonte: PCR
COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!