21º Festival Recife do Teatro Nacional celebra autores nordestinos
13/11/2019 10:26 em Teatro

 

Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, entra em cartaz, entre os próximos dias 16 e 24 de novembro, a 21ª edição do Festival Recife do Teatro Nacional, realização da Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife. Ao todo, serão apresentados 12 espetáculos, entre produções nacionais e locais, inéditas e cativas para o público recifense.

 

Como de costume, o Festival Recife do Teatro Nacional terá o cuidado de celebrar vários gêneros da produção cênica nacional e recifense, do humor ao infantil, com ênfase em textos carregados da estética e da temática fincadas no solo rachado e árido do Nordeste, embora alguns desses textos tenham sido montados e até escritos em outras regiões do país. “Essa programação celebra a enorme contribuição nordestina para o teatro brasileiro ontem, hoje e sempre. Neste momento em que a política nacional insiste em tirar o povo nordestino do foco, fizemos questão de voltar para nós os holofotes”, diz o coordenador do Festival, Romildo Moreira, demarcando territórios políticos com arte.

 

Já na abertura do Festival, a companhia carioca Os Ciclomáticos apresenta “Ariano – O Cavaleiro Sertanejo”, espetáculo aclimatado sob o sol a pino da literatura nordestina de Ariano Suassuna. A apresentação será no Teatro Luiz Mendonça, às 20h dos dias 16 e 17.

 

Também é à imagem e semelhança de Ariano e seu universo particularmente nordestino que o Festival encerrará, no dia 24, com o espetáculo “Auto da Compadecida”, com direção cênica de Gabriel Villela para o Grupo Maria Cutia, de Belo Horizonte, numa montagem que une a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, trilhando os passos do Movimento Armorial de Ariano. O espetáculo será apresentado nos dias 23 e 24, no Teatro de Santa Isabel, às 20h.

 

Outra companhia nacional que virá ao Festival com texto nordestino é a LaMínima, de São Paulo, que apresentará “Ordinários”, espetáculo escrito pelo pernambucano Newton Moreno. Com direção cênica de Álvaro Assad, terá apresentação única, no Teatro Luiz Mendonça, às 20h do dia 24.

 

Em Fortaleza, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional foi buscar a brisa fresca do espetáculo “Senhor Ventilador”, do Grupo Bagaceira, montagem infantil que trata de coisas e sentimentos que são perecíveis e eternos, não necessariamente nesta ordem. A peça tem indicação livre e será apresentada no Teatro Barreto Júnior, nos dias 23 e 24, às 16h30.

 

Aracaju retorna à programação do Festival cheia de história para contar. Nos dias 19 e 20, respectivamente, o Grupo Imbuaça apresentará os espetáculos “Mar de Fitas Nau de Ilusão” e “A Peleja de Leandro da Trilha do Cordel”, trazendo para o Teatro Luiz Mendonça a vasta experiência acumulada com os teatros ambiente e de rua.

 

Os grupos e espetáculos recifenses terão cadeira cativa na programação. Para esta 21ª edição, foram escolhidas para representar a produção cênica local as montagens:  “Apenas o Fim do Mundo”, do Magiluth, que será apresentado no Teatro Luiz Mendonça, às 20h do dia 22; “Opá, uma Missão”, com a atriz Lívia Falcão”, no Teatro Hermilo Borba Filho, dia 17, às 18h; “Cartas”, do Coletivo Caverna, no mesmo Hermilo, às 19h do dia 20; “Pá(Ideia)”, solo de Junior Aguiar, dia 21, às 19h, de novo no Hermilo;  “A Trilogia do Feminicídio”, do Criativo Soluções, no Barreto Júnior, às 20h do dia 22; e “O Açogueiro”, com Alexandre Guimarães, no Hermilo Borba Filho, às 19h do dia 23.

 

Os ingressos serão vendidos nas bilheterias dos teatros, por R$ 20 (R$ 10 meia entrada).

 

Palestra – Embaixo dos palcos, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional também terá atividade. No dia 22, às 15h, a diretora do Instituto Martim Gonçalves, Jussilene Santana, ministrará uma palestra gratuita e aberta ao público, no Salão Nobre do Teatro Santa Isabel, sobre o Centenário de Martim Gonçalves, pernambucano que percebeu, ainda nos idos do século XX, a importância e a urgência de fomentar a criação de um ambiente de aprendizado permanente dedicado aos profissionais das artes cênicas e criou a primeira escola cênica do país, a Escola de Teatro da Bahia (UFBA).

 

Homenageada – A força e o vigor nordestinos traduzidos em programação pela 21ª edição do Festival Recife do Teatro Nacional ganham rosto, voz e talento com a homenagem que será rendida este ano à atriz Lúcia Machado. Com diversos serviços prestados ao teatro recifense, Lúcia Machado foi integrante e uma das fundadoras, junto com Antônio Cadengue, da Companhia Teatro de Seraphim, pela qual defendeu e imortalizou dezenas de personagens.

 

Também tem atuação marcada na coordenação de cursos de teatro, na gestão pública e na literatura, tendo coordenado e participado de várias publicações, como “A Modernidade do Teatro (Ali e Aqui) – Reflexos Estilhaçados” e “O Teatro de Aristóteles Soares – Volumes 3 e 4 – Dossiê Crítico – Informativo”, entre diversas outras empreitadas cênicas de sucesso, na teoria e na prática.

 

Confira a programação:

 

21º FESTIVAL RECIFE DO TEATRO NACIONAL

De 16 a 24 de novembro

 

ARIANO – O CAVALEIRO SERTANEJO

Companhia Os Ciclomáticos (RJ)

Dias 16 e 17

Teatro Luiz Mendonça, às 20h

 

O espetáculo, em comemoração aos 22 anos de existência da Companhia Os Ciclomáticos, é uma viagem nas vivências populares tão presentes na obra de Ariano Suassuna, tais como: o cancioneiro, o sertanejo, o repente, o forró, o movimento armorial, o mamulengo, prestando assim uma homenagem à cultura popular nordestina.

 

Texto e direção: Ribamar Ribeiro

Elenco: Carla Meirelles, Getúlio Nascimento, Julio Cesar, Nívea Nascimento, Renato Neves e Fabíola Rodrigues.

Músicas: Getúlio Nascimento

Cenografia: Getúlio Nascimento e Cachalote Mattos

Iluminação: Mauro Carvalho.

Sonoplastia: Getúlio Nascimento e Ribamar Ribeiro

Fotos: Zayra Lisboa

 

OPÁ, UMA MISSÃO

Duas Companhias (PE)

Dia 17, às 18h

Teatro Hermilo Borba Filho

 

O monólogo interpretado por Lívia Falcão traz à cena a Palhaça Zanoia, uma benzedeira antiga, que recebeu de suas antepassadas a missão de rir de si mesma nas “sete direções”: Leste, Oeste, Norte, Sul, Acima, Abaixo e Dentro. Cumprindo essa missão, Zanoia encontrará a dádiva-diamante escondida em seu corpo.

 

Dramaturgia e roteiro: Silvia Goes

Fragmentos de textos das peças: “Caetana”, “Esse Estranho Desejo” e “Divinas”

Provocação artística e direção em Palhaçaria: Andréa Macera

Desenho e operação de luz: Natalie Revoredo

Operação de som: Hugo Coutinho

Figurino e maquiagem: Fabiana Pirro e Lívia Falcão

Desenho do cenário: Nara Menezes / Confecção: Mário Almeida

Documentário em construção: Déa Ferraz

 

MAR DE FITAS NAU DE ILUSÃO

Grupo Imbuaça Produções Artísticas (SE)

Dia 19, às 20h

Teatro Luiz Mendonça

 

Celebração à cultura popular e à arte que emana das ruas, o espetáculo usa conto, canto e dança para apresentar a trajetória estética e histórica do Grupo até os dias atuais, evocando mestres, dramaturgos, personagens, diretores, brincantes e todo mundo que contribuiu com os quarenta e dois anos de existência do grupo.

 

Roteiro e direção geral: Iradilson Bispo

Elenco: Humberto Barreto, Amadeu Pereira, Iradilson Bispo, Lindolfo Amaral, Lidhiane Lima, Manoel Cerqueira, Priscila Capricce, Rosi Moura e Talita Calixto

Direção musical: Humberto Barreto

Direção de arte: Iradilson Bispo

Operação de som: Fábio Eduardo

Contrarregragem: Ari Pereira e Rogers Nascimento

Coordenação geral: Lindolfo Amaral

 

A PELEJA DE LEANDRO NA TRILHA DO CORDEL

Grupo Imbuaça Produções Artísticas (SE)

Dia 20, às 20h

Teatro Luiz Mendonça

 

O espetáculo mistura ficção e realidade para narrar a vida de um dos inventores da literatura de cordel, o poeta paraibano Leandro Gomes de Barros. A encenação, suave e brincante, conta a história do cordelista, misturada com as muitas histórias que ele criou.

 

Dramaturgia: Iradilson Bispo, Lindolfo Amaral e Manoel Cerqueira

Direção: José Rosa

Elenco: Carlos Wilker, Amadeu Pereira, Lindolfo Amaral, Iradilson Bispo, Humberto Barreto, Lidhiane Lima, Manoel Cerqueira, Rosi Moura e Talita Calixto

Cenografia, coreografia e designer: Iradilson Bispo

Figurino: Adereços e maquiagem: José Rosa

Técnico de som: Cristiano Andrade

Produção executiva: Lindolfo Amaral

 

CARTAS

Coletivo Caverna (PE)

Dia 20, às 19h

Teatro Hermilo Borba Filho

 

Unindo correspondências trocadas entre dois intelectuais brasileiros, Hermilo Borba Filho e Osman Lins, no período de 1965 a 1976, a peça retrata a tessitura poética e imagética do livro “Guerra sem Testemunhas”, assim como referências a outras obras de Osman Lins. Revela angústias sobre mercado editorial, questões sociais e de trabalho, partilhadas entre os dois amigos, nas constantes cartas que trocavam.

 

Direção: Luiz Manuel

Elenco: Fabiana Pirro, Cláudio Lira e Paulo de Pontes

Assistente de direção: Gabriel de Godoy

Iluminação: João Guilherme

Trilha sonora: Alexandre Salomão

Edição de vídeo: Gabriel de Godoy

Figurino: Giselle Cribari

Cenografia: Coletivo Caverna

 

PÁ(IDEIA) – PEDAGOGIA DA LIBERTAÇÃO

Coletivo Grão Comum (PE)

Dia 21, às 19h

Teatro Hermilo Borba Filho

A obra retrata a prisão e o interrogatório do mais notório educador de todos os tempos no Brasil, unindo os temas da educação e das filosofias pedagógicas vivenciadas na Pedagogia da Libertação criada pelo educador Paulo Freire.

 

Texto e direção: Júnior Aguiar

Elenco: Daniel Barros e Júnior Aguiar

Operação de áudio e luz: Moacir Lago

Vídeo: Ricardo Maciel

Maquiagem: Luana Barbosa

Identidade visual: Arthur Canavarro

Fotos: Rogério Alves, Amanda Pietra e Diego di Niglio

 

APENAS O FIM DO MUNDO

Grupo Magiluth (PE)

Dia 22, às 20h

Teatro Luiz Mendonça

 

A mais recente criação do Grupo Magiluth apresenta um homem, ausente há bastante tempo, que retorna à casa da família para dar a notícia de sua morte próxima. O reencontro se dá em um domingo, ou ainda, ao longo de quase um ano inteiro.

 

Dramaturgia: Jean-Luc Lagarce / Tradução: Giovana Soar

Direção: Giovana Soar e Luiz Fernando Marques Lubi

Elenco: Bruno Parmera, Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Mário Sergio Cabral e Pedro Vagner

Desenho de luz: Grupo Magiluth

Direção de arte e design gráfico: Guilherme Luige

 

TRILOGIA DO FEMINICÍDIO

Criativo Soluções (PE)

Dia 22, às 20h

Teatro Barreto Júnior

 

Constituído por três peças, “Coisas que acontecem no Quintal”, “Triz” e “Aparecida”, o espetáculo é baseado em histórias reais de violências contra a mulher, denunciando o feminicídio e as diversas formas de violência que vitimam mulheres de diferentes contextos sociais cotidianamente.

 

Concepção, texto e direção geral: Eric Valença

Elenco: Gheuza Senna (Aparecida); Nínive Caldas e Laís Vieira (Triz) e Tati Azevedo (Coisas que Acontecem no Quintal)

Projeto de luz e operação: Luciana Raposo

Assistência e direção de movimentos: Lili Rocha

Figurino: Marc Andrade e Carol Monteiro

Trilha sonora: Sonic Junior

Produção: Danilo Carias / Criativo Soluções

 

SENHOR VENTILADOR

Grupo Bagaceira (CE)

Dias 23 e 24, às 16h30

Teatro Barreto Júnior

 

A peça infantil do Grupo Bagaceira, de Fortaleza conta, somente com gestos, uma história sobre amizade, envelhecimento, apego e sobre o que pode e o que não pode ser descartado, num espetáculo poético e divertido.

 

Roteiro, direção e sonoplastia: Yuri Yamamoto

Elenco: Yuri Yamamoto e Ricardo Tabosa

Assistência de direção: Rafael Martins

Cenário e figurino: Yuri Yamamoto

Iluminação: Tatiana Amorim

Produção: Rogério Mesquita

 

O AÇOUGUEIRO

Alexandre Guimarães Produções (PE)

Dia 23, às 19h

Teatro Hermilo Borba Filho

 

O Açougueiro é uma história de amor no Sertão nordestino, mostrando o lado sombrio dos sentimentos humanos. Trata-se de um monólogo recifense que aborda temas como discriminação de gênero, intolerância e feminicídio, através de nove personagens interpretados pelo ator Alexandre Guimarães, que recorre a toadas, aboios e demais manifestações da cultura popular.

 

 

Texto e direção: Samuel Santos

Intérprete: Alexandre Guimarães

Figurino: Agrinez Melo

Preparação vocal: Nazaré Sodré

Maquiagem: Vinícius Vieira

Operação de luz: Nardônio Almeida

 

AUTO DA COMPADECIDA

Texto de Ariano Suassuna e montagem do Grupo Maria Cutia (MG)

Dias 23 e 24, às 20h

Teatro Santa Isabel

 

O espetáculo narra as aventuras picarescas de João Grilo e Chicó, que começam com o enterro e o testamento do cachorro do padeiro, acabando em uma epopeia milagrosa no Sertão, envolvendo o clero, o cangaço, Jesus, Maria e o Diabo.

 

Concepção e direção geral: Gabriel Villela

Elenco: Leonardo Rocha, Hugo da Silva, Mariana Arruda, Dê Jota Torres, Malu Grossi, Marcelo Veronez e Polyana Horta

Direção musical: Babaya, Fernando Muzzi e Hugo da Silva

Cenário e figurino: Gabriel Villela

Pintura de arte: Rai Bento

Iluminação: Richard Zairae Pedro Paulino

Consultoria de sonorização: Vinícius Alves

 

ORDINÁRIOS

LaMínima Circo e Teatro (SP)

Dia 24, às 20h

Teatro Luiz Mendonça

 

Em algum lugar, três soldados formam um pelotão improvável. Diante da angústia da espera, esmeram-se em treinamentos, até finalmente receberem uma missão. Quanto mais avançam pelo território inimigo, ficam evidentes os segredos que um esconde do outro e o quanto são inadequados para o mundo da guerra.

 

Texto: Newton Moreno

Roteiro: Newton Moreno, Álvaro Assad e LaMínima.

Direção: Álvaro Assad

Elenco: Fernando Paz, Fernando Sampaio e Felipe Bregantim.

Direção musical: Marcelo Pellegrini

Iluminação: Marcel Alani

Figurino e visagismo: Carol Brada

Direção de produção: Luciana Lima

Produção executiva: Priscila Cha

 

 

 

 

Fonte: PCR

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!